Limpo

Segunda | 20 Novembro

24C

32

21

Descubra o País < voltar

Fundação Fernando Leite Couto, uma janela para a cultura

27/10/2015 | Fonte: www.sapo.mz|Eliana Silva

Fotos

Fundação Fernando Leite Couto|Foto: Eliana Silva

Fotos

  • O exterior da Fundação, há vários espaços de esplanada (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • Pormenor na Fundação Fernando Leite Couto (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • O exterior da Fundação, há vários espaços de esplanada (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • A Fundação tem uma programa cultural com exposições, serões de literatura e muito mais (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • A Fundação tem uma programa cultural com exposições, serões de literatura e muito mais (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • No piso superior pode encontrar uma biblioteca recheada de obras (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • A Fundação tem uma programa cultural com exposições, serões de literatura e muito mais (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • No piso superior pode encontrar uma biblioteca recheada de obras (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • O exterior da Fundação, há vários espaços de esplanada (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • Cá fora, há uma livraria onde pode encontrar peças de Fernando Leite Couto, Mia Couto ou Bruno Couto (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • A Fundação tem uma programa cultural com exposições, serões de literatura e muito mais (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • Fundação Fernando Leite Couto
  • A Fundação tem uma programa cultural com exposições, serões de literatura e muito mais (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • O exterior da Fundação, há vários espaços de esplanada (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • Fundação Fernando Leite Couto
  • No piso superior pode encontrar uma biblioteca recheada de obras (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • A entrada da Fundação é pela Avenida Kim Il Sung em Maputo (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • O exterior da Fundação, há vários espaços de esplanada (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • Fundação Fernando Leite Couto
  • O exterior da Fundação, há vários espaços de esplanada (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • Cá fora, há uma livraria onde pode encontrar peças de Fernando Leite Couto, Mia Couto ou Bruno Couto (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • Cá fora, há uma livraria onde pode encontrar peças de Fernando Leite Couto, Mia Couto ou Bruno Couto (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • A Fundação tem uma programa cultural com exposições, serões de literatura e muito mais (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • No piso superior pode encontrar uma biblioteca recheada de obras (SAPO MZ/ Eliana Silva)
  • No piso superior pode encontrar uma biblioteca recheada de obras (SAPO MZ/ Eliana Silva)

O exterior da Fundação, há vários espaços de esplanada (SAPO MZ/ Eliana Silva)1 de 25

A Fundação Fernando Leite Couto foi inaugurada há uns meses, em Maputo, e toma agora um papel importante no dia-a-dia das pessoas que vivem na capital moçambicana.

 

‘Gostaria
 que a minha vida fosse como uma casa: 
janelas abertas aos sonhos, 
portas abertas aos outros.’ Esta é uma das frases que está registada num espaço no interior da Fundação Fernando Leite Couto (FFLC), situada na Avenida Kim Il Sung, em Maputo. Aberta de segunda a sexta-feira, das 8h às 21h, o espaço prima por ser uma sinergia cultural preparada para qualquer pessoa que procure tranquilidade. Inaugurada durante o mês de Abril deste ano, a FFLC foi criada para homenagear Fernando Leite Couto, poeta e jornalista, e antigo director da editora Ndjira. O pai de Mia, Fernando e Jorge Couto, teria 91 anos se estivesse vivo e este espaço tem como princípio perpetuar a obra cultural através da literatura, da fotografia, de debates e de muitas outras formas de arte.  

 

A FFLC pretende, assim, apoiar diversas acções culturais e ser um pólo de convergência de criação literária e intercâmbios, não só na capital mas também na Beira, localidade originária da família. Ao nível organizacional, a FFLC é presidida por Mia Couto e administrada pelos dois irmãos, Jorge e Fernando Couto e tem uma comissão de honra composta por várias personalidades nacionais, com destaque para Lourenço do Rosário, Graça Machel, Bernardo Honwana ou Tomás Vieira Mário.

 

Recentemente, Mia Couto lançou na FFLC o seu último romance ‘Mulheres de Cinza’, e juntou num único espaço vários nomes de realce cultural. Diariamente, a FFLC tem ao dispor de cada utente uma biblioteca, exposição itinerante, uma livraria à entrada e ainda um restaurante. Em todos os espaços a rede wifi está aberta, facilitando o trabalho a quem vai até ali para um momento de networking.

Comentários